Secretaria de Cultura e Turismo realiza curso sobre educação patrimonial para vereadores mirins

Publicada em 08/05/2018 às 15:54
Relacionado a: Secretaria de Cultura e Turismo - SECULT

Logotipo da Prefeitura de Joinville

Nesta quarta-feira (09/05/2018), a partir das 14h, os dezoito vereadores mirins da Câmara de Vereadores de Joinville, participarão da aula inaugural do curso de Educação Patrimonial, realizado pela Prefeitura de Joinville, por meio da Secretaria de Cultura e Turismo.

O projeto foi elaborado pela Coordenação de Patrimônio Cultural (CPC) do órgão, com o objetivo de mostrar às crianças o que é patrimônio cultural, como se identifica, apresentar ícones da cultura de Joinville e, sobretudo, ensiná-las a identificar e perceber elementos que fazem parte da cultura local.

Além das aulas expositivas, os alunos participarão de atividades práticas e lúdicas, como exercícios, jogos e visita monitorada pelo centro de Joinville, para identificação de imóveis pertencentes ao patrimônio histórico da cidade.

Entre os temas que serão abordados durante o curso, estão conceitos de cultura, referência cultural, identidade, pertencimento e cidade; cultura alimentar e patrimônio imaterial; conceito de patrimônio cultural material, tombamento e história de Joinville; e prática do processo de tombamento.

Como fechamento do curso, no segundo semestre os vereadores mirins irão montar uma exposição na Câmara de Vereadores, com peças e elementos culturais que eles mesmos identificarão junto à família, escola e comunidade onde vivem.

As aulas do curso de Educação Patrimonial serão ministradas por historiadores e arquitetos da CPC, na Câmara de Vereadores de Joinville e se estendem em junho e julho.

De acordo com a historiadora Valéria Esteves, uma das responsáveis pelo projeto, a ideia é posteriormente estender o trabalho às escolas da rede municipal, com objetivo de fomentar a educação patrimonial.

“Queremos despertar nas crianças a visão para a cultura, pois dentro do convívio diário, às vezes não é possível perceber o que faz parte do nosso patrimônio cultural e não conseguimos identificar o que é legitimamente nosso. É essa percepção que desejamos mudar”, explica.

Registre manifestação para fazer reclamação, sugestão ou elogio sobre estas informações.

Compartilhe