Propostas de requalificação do Centro de Joinville são apresentadas

Publicada em 29/11/2017 às 11:20
Relacionado a: Secretaria de Planejamento Urbano e Desenvolvimento Sustentável - SEPUD

Praça Nereu Ramos Ver imagem em alta resolução

O caderno dos projetos desenvolvidos durante a maratona de projetos Desenhos Urbanos Colaborativos – Desafio Join.Valle Centro foi divulgado na Prefeitura de Joinville. A apresentação foi conduzida pelas arquitetas Juliete dos Santos e Sabrina Aparecida Lopes, da Secretaria de Planejamento Urbano e Desenvolvimento Sustentável (Sepud).

Com o engajamento de cerca de 80 pessoas, a maratona de projetos foi realizada de 6 a 8 de outubro de 2017, no Palacete Niemeyer, com objetivo de inspirar soluções para o Centro de Joinville, com a requalificação dos espaços urbanos degradados. Teve o envolvimento de profissionais autônomos, empreendedores, estudantes e secretarias municipais.

Os 16 projetos sugeridos foram reunidos em quatro vertentes: imóveis históricos, eventos participativos, intervenções físicas e acupuntura urbana. A meta da Sepud é elaborar o projeto executivo e buscar recursos, em seis meses, para implementação dos projetos de curto prazo em um ano. 

A reunião foi acompanhada pelas secretarias de Cultura e Turismo, de Assistência Social, de Comunicação, além de representantes da Câmara de Dirigentes Logistas de Joinville (CDL) e da Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura (ASBEA/SC). O Desafio Join.Valle Centro foi uma iniciativa da ASBEA/SC, em parceria com a Prefeitura de Joinville, viabilizado pelo patrocínio do CAU/SC, por meio do Edital de Chamada Pública 02/2017.

Para a arquiteta Juliete, a revitalização do centro atende o desejo de torná-lo um lugar de permanência, com o aspecto de cidade mais humana e inteligente, e a maratona inspirou a participação social para propor soluções. Para a arquiteta Sabrina, as propostas que incentivam o uso do Centro geram o senso de pertencimento na comunidade.

Propostas, reunidas em quatro vertentes:

Com o uso da metodologia do Design Thinking, após a imersão, os participantes foram divididos em equipes, para trabalhar a região do Centro com enfoques: Histórico (preservação do patrimônio edificado), Produtivo (desenvolvimento de uma economia criativa), Democrático (participação social nas decisões), Afetivo (senso de pertencimento dos cidadãos), Inclusivo (oferecimento de oportunidades iguais para todos), Sustentável, equilíbrio entre o espaço urbano e a natureza), Acessível (deslocamentos ágeis e eficientes), Seguro (proporcionar um ambiente confortável e pacífico). As 16 propostas foram reunidas em quatro vertentes:

Imóveis históricos

Rota dos pontos de memória: com aplicativo de realidade virtual, educação patrimonial e projetos acadêmicos aplicáveis.

Economia criativa: instalação de incubadora, desenvolvimento de startups, Fablab e coworking.

Eventos participativos

Virada cultural: workshop boas práticas, manifesto sociocultural, grupo observatório.

Intervenções físicas

Info pop: mobiliário inteligente, aplicativo informativo, concurso para elaboração.

Ilha sustentável: parcerias para manutenção, infraestrutura, nivelamento de rua e calçada.

Acupuntura urbana

Calçadão coberto, noite viva, gastronomia, artesanato e arte. 

Compartilhe