Pesquisadores realizam escavação no Sambaqui Morro do Ouro em Joinville

Publicada em 22/07/2019 às 11:56
Relacionado a: Museu Arqueológico de Sambaqui de Joinville - SECULT.UPM.MAS

Um campo de pesquisa internacional foi instalado em 18/07/2019 no alto do Sambaqui Morro do Ouro, que tem cerca de 5 mil anos, e fica ao lado da ponte do Trabalhador, no bairro Guanabara, em Joinville. 

O doutor em arqueologia pela Universidade de York, na Inglaterra, André Carlo Colonese, acompanhou pessoalmente a montagem das tendas e o início da escavação, processo em que serão separados materiais ósseos e líticos (pedras lascadas e polidas) para análises de laboratórios que serão feitas no Brasil e na Inglaterra. Estão envolvidos estudiosos da Univille (Universidade de Joinville), Museu Nacional do Rio de Janeiro e Museu Arqueológico de Sambaqui de Joinville.

“Esta pesquisa envolve várias universidades brasileiras e inglesas, mas não seria possível sem a parceria fundamental do Museu Arqueológico de Sambaqui de Joinville e do setor de Arqueologia da Univille. Foram eles que fizeram um trabalho fantástico, que permite, inclusive, o envolvimento da National Geographic neste trabalho”, destacou o professor.

A pesquisa quer entender melhor o processo de formação do sítio, se o sistema dos moradores era de caça e coleta ou se, de alguma forma, envolvia o cultivo, isto é, se produziam o próprio alimento. Colonese lembrou que o sítio, na verdade, é de um grande cemitério indígena, que foi formado por muitas gerações. Em escavações anteriores, foram encontradas várias sepulturas entre os sedimentos.

De acordo com o doutor Colonese, exames patológicos ósseos e também do tártaro dos dentes dos indivíduos que estavam sepultados no local, e também de agentes patógenos, indicaram o consumo de plantas. Serão feitas análises de DNA dessas amostras e também a avaliação estatigráfica, para entender como ocorreram os depósitos sedimentares.

Até 10/08/2019, trabalharão no campo de pesquisa dez arqueólogos e vinte estudantes voluntários. A trincheira a ser escavada tem 20 metros quadrados.