Mobility City Lab resulta em 25 projetos para Joinville

Publicada em 06/11/2017 às 14:19
Relacionado a: Secretaria de Planejamento Urbano e Desenvolvimento Sustentável - SEPUD

Gruppenfotoo Ver imagem em alta resolução

Com a ajuda de especialistas da Alemanha, atores dos diversos segmentos da mobilidade de Joinville apresentaram suas ideias durante o Mobility City Lab, realizado de 23 de outubro a 1º de novembro de 2017. Além de ser a primeira do Brasil e de toda a América a se tornar um laboratório urbano de estudos temáticos, Joinville foi a cidade que apresentou o maior número de projetos, sendo 25 no total.

O City Lab trabalha com determinadas cidades para a análise de desafios em planejamento urbano sustentável e inteligente. As edições anteriores foram aplicadas em Lisboa (Portugal), Berlim (Alemanha), Chemnitz (Alemanha), Praga (República Checa) e Tbilisi (Geórgia).

Dez propostas foram detalhadas em cinco grupos de trabalho. As informações de todos os 25 projetos estarão incluídas num caderno que está sendo elaborado pelo Instituto Fraunhofer e será entregue à Prefeitura de Joinville, em dezembro. Na sequência, será avaliado um cronograma de implantação, em cooperação com a sociedade.

O gerente de Cidade Humana e Inteligente, Diego Calegari, da Secretaria de Planejamento Urbano e Desenvolvimento Sustentável (Sepud), que organizou a iniciativa, destacou a agilidade de trabalho da equipe internacional, que conseguiu fazer uma leitura muito ágil e apropriada da cidade, com os dados disponibilizados pela Sepud. “Nosso trabalho principal também foi envolver e aproximar as pessoas de empresas envolvidas com transporte e mobilidade”, complementa Eduardo Gassenferth, da equipe da Sepud que acompanhou os pesquisadores. Também foi discutido ideias ao projeto “Eficiência energética na mobilidade urbana (EEMU). 

O grupo de especialistas da Alemanha foi composto pelo Dr. Jens Giersdorf e Esther Linner (do projeto Sistemas de propulsão eficiente – PROMOB-e), Dr. Sebastian Ebert (do projeto Eficiência energética na mobilidade urbana – EEMU), da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammernarbeit/GIZ – agência alemã de cooperação internacional, Marielisa Padilla e Vladyslav Latypov (University of Stuttgart), além de Dr. Thomas Ernst (Sociedade Fraunhofer – instituto de pesquisa aplicada). 

 

PROJETOS DETALHADOS NO WORKSHOP*

*O caderno completo será apresentado com 25 projetos

1 – Estações “park & ride”

Criar bolsões de estacionamento para carros e bicicletas no arredor de terminais de ônibus, para que os cidadãos possam estacionar os seus veículos nestes locais com segurança, oferecendo também serviços como lavação, mecânica, etc., e de lá viajar de ônibus até o centro da cidade num ônibus direto, ou o seu destino final.

2 – Mobility Hubs

A cidade identificou a necessidade de transformar as estações de ônibus em pontos de encontro mais interessantes, com serviços adicionais que oferecem diferentes opções de intermodalidade. Os diferentes modos de transporte precisam ser conectados para promover o uso de modais alternativos. Serviços adicionais como: compartilhamento de carro, compartilhamento de bicicletas, estações de reparo de carros e bicicletas, armários, alimentos automáticos, entre outros, podem também ser fornecidos para transformá-los em pontos de encontro atraentes para os cidadãos e melhorar a experiência do usuário. O uso de serviços adicionais como compartilhamento de carro deve ser possível “atualizando” o cartão Ideal.

3 – Entrega de último quilômetro com e-trucks e e-bikes

E- trucks: entregas do último km com veículos elétricos podem reduzir o ruído e a emissão de poluentes nos centros urbanos.

E-cargo bikes: o município pretende identificar espaços públicos vazios localizados no centro ou estabelecer parcerias com centros de distribuição e armazenamento (shoppings, supermercados) que poderiam ser alugados por empresas de logística para utilizar como cross-docking. Os pontos de recarga podem ser instalados nos mobility hubs.

4 – Transporte público por trem

Atualmente, existem seis viagens por dia para transporte de carga. A infraestrutura existente poderia ser utilizada para o transporte de passageiros. Outra trilho do trem é planejada de Guaramirim para Araquari. O hub de mobilidade proposto no Itaum também pode conectar passageiros a este trem.

5 – Plataforma “innovate your city”

Co-criação de plataforma online – concurso de inovação para desenvolver soluções para os problemas apresentados pelos cidadãos. Seleção e implementação de ideias baseadas em gamificação (uso de técnicas de design de jogos).

6 – Bike sharing & safe parking

Instalação de várias estações para estacionamento seguro de bicicletas e compartilhamento das mesmas.

7 – Plataforma Open Data

Uma plataforma que qualquer instituição da cidade pode alimentar para coletar todos os diferentes tipos de informações sobre mobilidade, empresas de transporte público, sensores, empresas de telecomunicações, cidadãos. A informação deve ser acessíveis a toda população.

8 – Estabelecer área de baixa emissão de poluentes

– Estabelecer uma área verde no Centro da cidade como uma Zona Ambiental para controle de emissão de poluentes.

– Introduzir restrições de trânsito com base na classe de veículos que a cidade gostaria de restringir o trânsito.

– Veículos com alta emissão podem ser excluídos ou devem pagar mais que outros de baixa emissão.

– A Zona Ambiental será delimitada por sinais especiais e pode ser controlada idealmente por câmeras, em conjunto com medidas de poluição.

9 – Novo sistema de tarifas por zoneamento

– Mais de 60% dos usuários de transporte público demonstram descontentamento com a tarifa atual. A cidade atualmente possui apenas uma tarifa independentemente da distância/transferências/tempo necessário.

– O sistema tarifário poderia ser reorganizado em zonas. Os sistemas tarifários claramente organizados são fáceis de entender pelos passageiros e podem reduzir o preço do bilhete, particularmente para distâncias curtas e, portanto, promover o transporte público.

– Bilhetes mensais com taxa reduzida por viagem ou tarifas diferentes para diferentes quantidades de viagens (mais viagens, menor preço) também podem ser implementados.

10 – Certificado de sustentabilidade

A cidade pode implementar e emitir um selo de “sustentabilidade” ou “verde” para incentivar as empresas a promoverem o uso de modos de transportes alternativos entre seus funcionários. Exemplos: vestiários para que os funcionários que utilizam a bicicleta possam se arrumar antes do início do trabalho; disponibilizar bicicletas sem custo para funcionários; iniciativas como aplicativos de carona.

Sociedade Fraunhofer

A Sociedade Fraunhofer é uma organização alemã de pesquisa, que conta com 69 institutos espalhados por toda a Alemanha. Cada um deles tendo seu foco em um campo diferente da ciência aplicada. Emprega mais de 24.500 pessoas, principalmente cientistas e engenheiros. O Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammernarbeit/GIZ foi fundado em 1975, por Erhard Eppler, cujo principal acionista é o governo federal alemão. É especializado em projetos de cooperação técnicos e de desenvolvimento sustentável em escala mundial.

Compartilhe