Centrinho de Joinville comemora 23 anos de atendimento de referência em SC

Centro atende pacientes de 255 dos 293 municípios catarinenses

A rua Borba Gato, número 685, é sede de atendimento de dois serviços de referência do SUS de Joinville que atendem pacientes de 255 dos 293 municípios catarinenses. Um dos serviços é chamado de Núcleo de Pesquisa e Reabilitação de Lesões Labiopalatinas e o outro é o de Reabilitação aos Portadores de Deficiência Auditiva, que compõe o Centrinho Prefeito Luiz Gomes. A excelência de atendimento é uma das marcas desse serviço reconhecido em todo o Brasil, que completará 23 anos na próxima quarta-feira, 27 de março.

Para garantir atendimento aos pacientes com fissura labiopalatina, no horário das 7 às 13 horas, e aos pacientes com deficiência auditiva, das 13 às 19 horas, o Centrinho mantém uma estrutura com 73 funcionários. A equipe interdisciplinar atua nas áreas de cirurgia plástica, pediatria, otorrinolaringologia, neurologia, serviço social, fisioterapia, enfermagem, psicologia, genética, fonoaudiologia, todas as especialidades odontológicas, incluindo técnicos de laboratório de prótese e uma equipe administrativa.

O serviço que atende pacientes com fissura labiopalatina realiza mensalmente uma média de 1200 atendimentos e ainda recebe 40 novos casos de pacientes. “O que diferencia o Centrinho é que acolhemos pessoas de todas as regiões, de todas as classes sociais, com histórias e dificuldades de vida inimagináveis. Geralmente, os pacientes iniciam o tratamento ainda quando são recém-nascidos, mas já tivemos casos de usuários que só nos conheceram quando adultos ou até idosos”, destaca a coordenadora e funcionária do local desde que o serviço foi criado, Jacirema Bentes.

Para a coordenadora, um dos grandes problemas é o preconceito que as pessoas com lesão labiopalatina e seus familiares enfrentam rotineiramente. Segundo ela, a reabilitação emocional e a integração social são tão importantes quanto a reabilitação física e funcional, feita através da cirurgia e do tratamento ambulatorial. “A nossa missão é resgatar a autoestima desses pacientes oferecendo a eles um tratamento de qualidade, para que todos possam ter uma vida saudável e não se sentirem diferentes”.

Sessenta cirurgias de lábio, palato, enxerto ósseo e otorrinolaringológicas são realizadas a cada mês pelos profissionais. Os procedimentos ocorrem no Hospital Regional Hans Dieter Schmidt, que disponibiliza o centro cirúrgico. O Centrinho já atingiu a marca de 3.500 pacientes que já receberam atendimento ou ainda recebem acompanhamento.

“A fissura labiopalatina exige um acompanhamento ambulatorial constante. Costumamos dizer que o paciente daqui só recebe alta quando ele completa 18 anos, em função das mudanças físicas causadas pelo crescimento. Caso ele volte a ter algum transtorno estético, funcional ou psicossocial, depois de adulto, ele volta a ser atendido normalmente pelos nossos profissionais”, garante Jacirema, que já teve a oportunidade de conhecer centenas de pacientes que frequentam o Centrinho há anos.

Já o Serviço de Atenção à Saúde Auditiva (Sasa) do Centrinho atende mensalmente 200 novos casos de suspeita de deficiência auditiva e adapta 70 novos aparelhos auditivos. Ana Luísa Molz, uma das sete fonoaudiólogas desse serviço, destaca que, em função do aumento de tempo de vida da população, a demanda pelo serviço só tende a aumentar. “A partir dos 60 anos de idade é normal que a pessoa comece ter perda da audição e, consequentemente, necessite de atendimento do profissional e do aparelho que compense a audição perdida”, explica.

Ana destaca que o Sasa está credenciado no Ministério da Saúde há sete anos. O serviço foi criado com o objetivo de fazer a avaliação diagnóstica e de oferecer próteses auditivas a pessoas com essa necessidade exclusivamente encaminhadas pelo SUS. Nesse período, cerca de 6 mil pessoas com suspeita de deficiência auditiva receberam atendimento.

Jacirema completa que o Centrinho é um serviço mantido pela Prefeitura de Joinville e que também recebe apoio financeiro de uma entidade sem fins lucrativos: a Profis (Sociedade de Promoção Social do Fissurado Labiopalatal e de Deficientes Auditivos de Joinville). Com as doações financeiras que a entidade recebe, a Profis consegue prestar o serviço de assistência social aos pacientes e familiares cadastrados no serviço.


Outras Fotos

tempo 23°


Filas da saúde Portal da Transparência SEI - Sistema Eletrônico de Informações